A Carga do Deus



Sou o radiante Deus dos céus, que inunda a Terra de valor, e guardo a semente oculta da criação, que irá germinar e manifestar-se. Levanto minha lança brilhante para iluminar a vida de todos os seres, diariamente trago meu ouro à Terra, fazendo retroceder os poderes da escuridão.

Sou o senhor das coisas selvagens e livres. Corro pelo campo com o cervo e me elevo como o sagrado falcão nos céus resplandecentes. Os antigos bosques e lugares selvagens emanam meus poderes e os pássaros em voo cantam a minha sacralidade.

Sou a última colheita, que oferece frutos e grãos para que todos se alimentem. Porque sem plantio não há colheita, sem inverno não há primavera.

Adorem-me como o Sol da Criação, de mil nomes, o espírito do Cervo Astado, a colheita sem fim. Vejam no ciclo anual dos festivais, meu nascimento, morte e renascimento e saibam que esse é o destino de toda a criação.

Sou a centelha da vida, o Sol radiante, o Doador de paz e do descanso e envio meus raios para abençoá-los, iluminando os corações e fortalecendo as mentes de todos.